Live com Prefeito de Jundiaí bate recorde de participação

Apesar de algumas dificuldades técnicas, live teve participação recorde

Apesar de algumas dificuldades técnicas, live teve participação recorde

Mais de 100 pessoas acompanharam a Live com o Prefeito de Jundiaí, Luiz Fernando Machado, promovida na terça-feira pelo Secovi SP e PROEMPI (Associação de Empresas e Profissionais do Mercado Imobiliário de Jundiaí e Região). Durante 60 minutos, o prefeito respondeu alguns questionamentos sobre mercado imobiliário, retomada da economia da cidade, renúncia de receita para incentivar investimentos e o trabalho promovido pelo Comitê de Enfrentamento ao Coronavírus (CEC), que reúne o poder público e outras entidades do município, como a PROEMPI.

Além do prefeito Luiz Fernando Machado, Paulo Oliva, Presidente da PROEMPI; e Carlos Eduardo Quadratti, vice-presidente de Administração e Comercialização Imobiliária; também participaram da videoconferência.

Luiz Fernando saudou todos que estavam acompanhando a live, agradecendo, principalmente, todas as empresas que estão colaborando com a prefeitura de Jundiaí no combate ao Coronavírus. “Aproveitar esta oportunidade para agradecer às empresas que têm nos ajudado a enfrentar as ações no combate ao coronavírus, nas áreas social, de saúde pública, seja na manutenção dos empregos: todos aqueles que têm se unido pelos interesses da cidade e a PROEMPI não só colabora mantendo emprego, gerando renda, oferecendo a realização do sonho da casa própria e, neste instante, distribuindo conhecimento e informação”, destacou o prefeito.

O prefeito apresentou dados de 2015, com projeção até 2025. “Na projeção para 2020, o déficit habitacional é de 16.500 moradias, sendo que deste número, 25% (4 mil) são de família sem renda ou submoradias. As demais famílias estão na faixa de até 6 salários mínimos”, anunciou, avaliando que este percentual demanda subsídio do poder público municipal. “Para mitigar esse déficit, nosso novo Plano Diretor, aprovado em 2019, manteve as Zonas Especiais de Interesse Social em quase 2 milhões de metros quadrados a serem destinados a estes programas para famílias de baixa renda”, destacou, lembrando que o Plano Diretor alterou sensivelmente os parâmetros de ocupação do solo, facilitando as parcerias com a iniciativa privada. “Esse é o modelo que acreditamos ser mais viável para fechar parcerias com a iniciativa privada”, completou.

Em 2019, a prefeitura de Jundiaí lançou o SAEPRO (Sistema de Aprovação Eletrônica de Projetos de Obras) para oferecer mais agilidade e transparência à aprovação de projetos, principalmente os de grandes empreendimentos. “O novo SAEPRO 2.0, agora totalmente digital, permitirá que essas análises sejam feitas em paralelo: todas as unidades da Prefeitura envolvidas terão acesso ao processo simultaneamente, o que trará mais transparência ao trabalho e atenderá o empreendedor com mais rapidez. Todos os profissionais envolvidos têm acesso e tem ciência de tudo que envolve o processo, eletronicamente”, explicou o prefeito. “Nós estamos fazendo um esforço enorme para incluir as demais unidades de Gestão, como a DAE, por exemplo, ao SAEPRO, projetos de infraestrutura, pavimentação, arborização e drenagem e estudos do EIV e RIV: desde o início do nosso mandato, o governo eletrônico era um compromisso com a população”, destacou Luiz Fernando, lembrando também sobre o aplicativo da Prefeitura de Jundiaí e os 300 km de fibra ótica já estão instalados que vão dar suporte para a cidade digital.

Para baixar o aplicativo da Prefeitura de Jundiaí e acessar todos os serviços oferecidos on-line pelo município basta acessar a loja de aplicativos do seu celular, ele está disponível nos sistemas operacionais IOS e Android ou CLIQUE AQUI.

Para a Prefeitura de Jundiaí, o incentivo fiscal não é um caminho para atrair investimentos. “A pandemia paralisou negócios no mundo inteiro. Nós entendemos que incentivos fiscais, além de não produzirem efeito, não são possíveis de serem implementados. Neste momento, entendemos e compreendemos a situação criada pela pandemia, mas não podemos, apesar disso, fazer renúncia de receita”, justificou o prefeito. “Nossa administração tem adotado todas as medidas possíveis para agilizar a aprovação de novas empresas, inclusive a revisão do Plano Diretor”, explicou, destacando que há um rito obrigatório, determinado também pela legislação estadual e federal, que deve ser seguido em benefício do desenvolvimento da cidade.

A inovação tecnológica também está na ordem do dia da Prefeitura de Jundiaí. “Temos importantes iniciativas como a Incubadora Tecnológica de Empresas, estamos promovendo cursos, palestras e cafés tecnológicos levando informação às empresas e criamos um Núcleo de Desenvolvimento Tecnológico voltado à incubadora e vamos instalar 4 novas incubadoras em duas universidades, uma empresa e uma entidade sem fins lucrativos”, explicou, lembrando que a prefeitura está criando ambientes de inovação, uma vez que o projeto do Parque Tecnológico não foi possível realizar por falta de investimentos.

A pandemia promoveu um avanço do e-commerce na cidade com vendas 0n-line e, embora seja uma novidade e um avanço tecnológico e mudança de comportamento das pessoas, preocupa a Prefeitura de Jundiaí. “Nós vemos o e-commerce com preocupação. As transações comerciais em lojas físicas na cidade geram ISS para o município, ao passo que numa transação realizada via e-commerce, a cidade perde o recolhimento do tributo. Estamos concluindo um projeto que prevê uma lei de inovação na cidade, com investimentos públicos para atração e desenvolvimento de projetos de inovação: nos próximos anos, teremos um posicionamento muito favorável perante a este mercado global”, anunciou Luiz.

Sobre tributos, o prefeito destacou que entre município, estado e união, o município é o ente que menos demanda tributariamente a sociedade. “Hoje, sob a ótica do auxílio ao governo federal suspendeu as dívidas dos municípios com a União. Mas Jundiaí não tem dívida com a União: não tem precatórios pendentes e essa medida não traz nenhum alívio para o município. A nossa estimativa de perda com essa crise é de mais de R$ 240 milhões e virá de socorro do governo federal apenas R$ 47 milhões: para avançarmos até o fim do ano de maneira equilibrada temos que cortar gastos. Diante disso, neste momento, não há previsão de fazer renúncias fiscais para que possamos aplicar em serviços púbicos”, frisou Luiz Fernando.

A diminuição da alíquota do ITBI (Impostos de Transmissão de Bens Imóveis) e a proposta de revisão de sua metologia de correção foi sugerida pela PROEMPI como forma de provocar menos impacto, principalmente para o comprador de baixa renda. O prefeito explicou que a questão já está em análise na Unidade de Gestão de Governo e Finanças sob a responsabilidade do gestor José Antonio Parimoschi. “Há, sem dúvida, uma sensibilidade da nossa parte a este assunto, embora, neste momento, haja uma dificuldade para discutirmos renúncia de receita, mas é possível sim, avançarmos com essa discussão na prefeitura, uma vez que o alvo seria o comprador de baixa renda”, explicou o prefeito. “As sugestões encaminhadas pela PROEMPI podemos, sim, transformar essa questão em um procedimento administrativo a ser estudado pela prefeitura”, concluiu.

Sobre desenvolvimento sustentável, o vice-presidente de Administração e Comercialização Imobiliária, Carlos Eduardo Quadratti, comentou que o mercado imobiliário é responsável por quase toda a infraestrutura urbana das cidades. “Nas novas urbanizações construímos redes de água e energia, drenagem e esgoto, novas ruas e avenidas, postos de saúde, creches e escolas, praças, parques e jardins e muitos equipamentos urbanos através das contrapartidas exigidas. Fazemos melhorias no entorno de nossos empreendimentos e, principalmente, somos a indústria que mais preserva e recupera o meio ambiente, além de criar emprego e renda diretamente e através do reflexo no ecossistema imobiliário”, elencou.

O prefeito concordou com a observação de Quadratti e reforçou o papel do mercado imobiliário. “O setor tem a responsabilidade de cuidar do ambiente para atrair o empreendedor na cidade e é, por isso, considerada uma atividade auxiliar no próprio desenvolvimento da cidade. A Aglomeração Urbana de Jundiaí tem o potencial de desenvolvimento muito promissor determinado, exatamente, pela nossa localização: moramos numa região muito privilegiada do Estado e a preservação a qualidade de vida é forte fonte de atração de novos investimentos no município e o setor imobiliário é grande aliado do município nesta questão”, destacou o prefeito, anunciando que está discutindo com a prefeitura de Louveira uma parceria no sistema de esgotamento sanitário com participação dos responsáveis pela DAE de Jundiaí e Louveira. “Este assunto também já está sendo discutido com o município de Várzea Paulista: o desenvolvimento não é possível ser discutido apenas localmente, conheço muito bem a região e estamos trabalhando para reforçar o desenvolvimento da nossa região”, frisou.

Ao final desta videoconferência, o presidente da Proempi, Paulo Oliva, elogiou todo o trabalho que vem sendo feito em Jundiaí. “Acompanhando a realidade dos outros municípios, Jundiaí está de parabéns, no enfrentamento ao coronavírus, com a criação do comitê de enfrentamento e participação de todas as entidades. Acompanhando o comportamento da população, queria deixar o alerta sobre a atenção ao nosso colaborador nas empresas: é fundamental para que tenhamos sucessos no combate a esta pandemia, haja conscientização da população para que tenhamos um respeito maior ao próximo, diante deste novo normal que estamos vivendo”, ressaltou.

Quadratti afirmou que sente orgulho de ser jundiaiense, diante do posicionamento do prefeito frente à pandemia. “Gostaria de agradecer a sua participação e reforçar sua liderança consciente e apropriada para o momento e temos acompanhado o seu esforço e preocupação com as pessoas e com a economia do município”.

O prefeito agradeceu a oportunidade e participar e tirar as dúvidas da Proempi. “Peço que as pessoas não desconfiem da capacidade que esta doença tem, mas só conseguiremos superá-la se tivermos a consciência do efeito coletivo do nosso comportamento individual. Acredito no enorme potencial da cidade de Jundiaí em se recuperar desta crise. Nós vamos vencer todos esses desafios impostos: acredito numa Jundiaí muito produtiva, fruto da coletividade, mas com cada um fazendo a sua parte”, concluiu Luiz Fernando Machado.

As perguntas que não foram respondidas serão encaminhadas à assessoria da Prefeitura de Jundiaí para que sejam respondidas posteriormente.